quinta-feira, março 08, 2007

Dia Mundial da Estupidez (mais um)

Por que é que o dia de hoje é um embuste:
a) "A posição nas sondagens de Ségolène Royal, candidata do Partido Socialista às eleições presidenciais francesas, parece obedecer a parâmetros obscuros."
b) "Depois de um pico, muito acima do seu rival, Nicolas Sarkhozy, do centro-direita, desceu em queda livre para um segundo lugar muito frágil."
c) "As oscilações das sondagens reflectem talvez as variações imponderáveis da imagem de Ségolène Royal, enquanto mulher."
d) "Ségolène, mãe de quatro filhos, companheira de François Hollande, secretário-geral do PS, daria uma imagem inédita de uma francesa comum, de espírito livre, independente, não casada (...)"
e) "Além disso, é linda. Não como uma star, mas como uma mulher o poder ser pela sua feminilidade. Seria este o factor imprevisível que está a mexer com o eleitorado: Ségolène é uma mulher e aparece como tal, antes de aparecer como política."
f) "Será que o ser mulher pode mudar radicalmente a maneira de fazer política? Em quê? Haverá uma essência masculina da política que seria, no fundo, sexista e machista, como o pretendem certas teses feministas?"

excertos retirados de um ensaio assinado por José Gil, na VISÃO

3 comentários:

MysterOn disse...

De facto começa a emergir uma moldura cada vez mais feminina na política internacional...

Alemanha - Angela Merkel

Candidatas - US: Hillary Clinton
France: Ségolène Royal

Só para referir países determinantes na cena internacional, concerteza que haverão mais exemplos...e noutros cargos relevantes.

"Será que a mulher pode mudar radicalmente a maneira de se fazer política?"

Parece-me bem que sim...e talvez para melhor e sim!, a feminilidade pode até fazer a diferença (sendo isso um bocado perigoso por um lado), para além da competência e outros factores também poderem fazer a diferença - pelo menos assim o espero.

Caso consigam (não me faz diferença nenhuma) alterar a maneira de se fazer política e eventualmente mudar o rumo das coisas, tendo o poder, que cumpram o seu dever e que o consigam acima de tudo por méritos próprios (o que não acontece com a maioria dos Machos - pelo menos cá no rectângulo - É Triste!!) e não apenas pela feminilidade, para bem de todos.

Nesse dia, talvez passem a não precisar de mais dias Mundias de Estupidez e de embustes...dias da Mulher - segundo a anfitriã deste tasco.

Atenção, talvez a mudança de tedência se deva igualmente ao facto de Estarmos Fartos, como bem referiste no teu post anterior...está tudo farto do mesmo, em todo o lado!!

Só para terminar os dias são nossos, todos os dias!

Take care of your brothers and sisters!

Matvey disse...

O problema da Ségolène é um: falta de preparação. Não dela, do staff.

Um político vale pelos acessores que tem. Não bons nem maus políticos. Há, isso sim, políticos bem e mal rodeados. Ségolène não está bem rodeada, porque que está com ela não compreendeu onde podia ganhar votos, como é que podia explorar a imagem de mulher determinada.

O programa de Ségolène não é bom nem mau. Não tem que ser. Como um sabonete basta saber vender. Covencer o povo que aquilo é bom. Fazer a massa seguir o Principe, no caso a Princesa.

O problema está aqui... como fazer um grupo de gente habituada a vender cifões de sanitas, ser capaz de vender tapetes de wc?

Joana disse...

Acho que as mulheres no poder pode ser uma mundaça na maneira como se abordam determinadas questões! Homens e Mulheres não pensam, nem resolvem as coisas da mesma maneira! Eu acho que dai so podem vir coisas boas!
:)