domingo, janeiro 25, 2009

"The Curious Case of Benjamin Button"

Fosse eu realmente abençoada com o dom da palavra, e conseguia dizer, aqui e agora, o que senti durante, e depois, de ver este filme. Não sou, por isso a única coisa a fazer é inspirar uma e outra vez, relembrar algumas cenas, guardar certas verdades na memória dos para-sempre ("Our lives are defined by opportunities, even the ones we miss"), e desejar viver anos suficientes para ver mais obras-primas como esta. Que estupidez. Como é que um homem deste mundo é capaz de realizar um filme desta sensibilidade?! E como é que um actor é capaz de se despir de si ao ponto de eu não acreditar que é mesmo ele?! De facto, que estupidez. Alguém disse numa crítica que este estranho caso cheirava a Óscar por todos os lados. É verdade. Merece-os todos (e aqui entra a guerra com o meu Sean Penn, no "Milk", mas que fazer com uma prestação assombrosa como esta?). Fiquei realmente incomodada. E precisei de falar nisto uma série de vezes. É mais ou menos assim que eu catalogo as coisas inesquecíveis.

9 comentários:

Kitty Fane disse...

Tal e qual o que eu senti. "Como é que um homem deste mundo é capaz de realizar um filme desta sensibilidade?" Absolutamente maravilhoso.

Rafaela disse...

Tenho os dois filmes no meu computador prontíssimos para serem vistos: Milk e The curious case of Benjamin Button. Tenho-os ali há três dias parados porque ainda não decidi qual dos dois ver primeiro. Que aconselhas?

Miss K. disse...

e tens logo os melhores!! aconselho os dois... se queres vibrar com uma história verídica, de coragem, com um grande (enorme) desempenho, vê o "milk". se te apetece assistir a uma história linda, mas muito triste, com o melhor papel de brad pitt, recosta-te no sofá, junta umas pipocas e puxa a manta: vai para o "estranho caso...".

Rafaela disse...

Hmm, ok hoje à noite vejo o Milk.:) Amanhã o Benjamin Button. De qualquer forma já me tinha "decidido" que o melhor filme era o Slumdog Millionaire.
Lá vou eu para uma maratona de filmes.

Um abraço,

Rafa

Ana Raquel disse...

também achei este filme assim qualquer coisa de fantástico...
Adorei!
**

Anónimo disse...

Aborrecia-me ver uma Estreia mas quando soube que havia David Fincher para ver, podia ir que nada me deixaria mal disposto (e soube, porque se sucederam uma série de acontecimentos em determinados instantes, sem os quais isso não seria possível :)).
Como sugestão, gostei bastante do "Seven Pounds".

GONIO disse...

Embora estejas "sem palavras", gostei de ler o que dizes sobre este filme quase definitivo :)
E agradeço a frase que citas do filme. Normalmente estou de telemóvel na mão a escrever as frases que gosto nos filmes que vejo.. neste não consegui interromper uma única cena para fazê-lo! Por isso voi copiar a tua frase para o meu cantinho :)

Ana disse...

A mim deixou-me sem espaço no cérebro uns quantos dias, até que colapsou e desistiu de entender esta perspectiva de ver a vida.

criptog disse...

Gostei especialmente do "when the time comes, you just have to let go"!
(que é um let go que não tem a ver com desistir, mas com aceitar a vida)