sábado, junho 14, 2008

Preciso disto.

Da cor do toque as lágrimas que teimam em sair juntam-se nos arrepios deste momento deste som deste lugar desta rua desta vida. Despir a música ainda é cedo longe vão as memórias por isso te procuro antes da fuga final. Impossível ser-se gigante antes de se ser feliz. Metade de um sorriso perde-se madrugada adentro dos sonhos de outros tempos. Não esqueço o raio de luz nem o terror da espera que cruzaram a ansiedade apagada pelo calor do abraço que me trouxe de volta à terra do nunca. A esperança canta histórias de outras rotinas de outras glórias de outros amores. Não há dias que cheguem para quem perdeu o caminho de volta a casa. Sem ninguém a quem contar as estórias não há como ter o papel principal.

8 comentários:

Diogo disse...

Sei tão bem que adorava poder ser quem ouvia essas estórias...
Não nos deixes...
Beijooooooooooo.

Clementine Tangerina disse...

Que bom!

Sadeek disse...

Welcome!!!

Thanks...

BEIJO

Cat disse...

Fico contente que tenha sido só uma pausa momentânea...

:*

Suhl disse...

"Sem ninguém a quem contar as estórias não há como ter o papel principal."

...e pouco, daquilo que tenho lido, me fez tanto sentido...

medusasss disse...

True...

Mas não será assim para sempre! :)

***

medusasss disse...

Bem, agora q reli (ao pé dos outros comentários, o meu, ui ui),
o que queria mesmo dizer é que todas nós procuramos o mesmo: um companheiro/a, e isso um dia acontece, mais cedo ou mais tarde.

E sim, não deixes de escrever! Fazes-lo tão bem!

***

pinky disse...

hummmm....aprensi que só na procura e no empenho de se ser gigante, se descobre a felicidade.
Há uma "coisa" na filosofia que se chama Karma, que toda a gente confunde com destino, e que é simplesmente a acção sem direcção, ou melhor, fazeres sen pensares no retorno, ou melhor ainda agires para fazeres bem, sem esperares sem necessitares, sem teres o objectivo de teres o retorno dessa acção.
È fazeres pelo prazer, e pela vontade de fazeres, sem segundas intenções, não qual cristo a dar a face, mas quase.... e aí, no meio dessa caminhada desinteressade aparece-te a felicidade, porque o bem puxa o bem, e a felicidade que dás aos outros desinteressadamente, é-te retornada sem esperares, e é uma explosão de bom! não é fácil, não é! nada disto é fácil, o desapego do eu é extramamente dificil, acho mesmo que só com muita meditação e anos é que se chega lá, mas se a tentiva dá um pouquinho disso, imagino como será muitos anos de prática...
ok ok ok já estou a extravasar e a falar linguagem que ninguém entende, é como costumo dizer, só quando "bate" é que vês a plenitude,´só qd expriencias um bocadinho é que te aprecebes das possibilidades, mas não tem que bater a todos, vada um tem o seu caminho, e cada um tem o seu timming, desculpa ser chata, mas tento sempre partilhar um bocadinho da minha expriência a ver se consigo despertar de alguma forma uma via para a felicidade, esta é a minha, com certeza há mais, mas esta resulta comigo, daí tentar passar um bocadinho ...sorry pelo testamento...