quarta-feira, setembro 26, 2007

Oito anos a morar sozinha depois...

... e esta continua a ser a minha grande (e única) especialidade culinária.

6 comentários:

nika_liu disse...

Bem com sorte apaixonas-te por um gajo podre de bom, rico e interessante e depois já não precisas de cozinhar porque irão sempre a restaurantes óptimos!
;)

Caltuga disse...

Bem, se fizeres como a nika_liu sugere certamente deixarias de ter uma vida banal! :) ... mas garanto-te que descobrir novas receitas é mesmo agradável (tal como é ser bom filho ou bom amigo e dá-las a conhecer num bom jantar). Faço isso, e não me considero nem banal, nem especial. Sou eu.

p.s. também lavo a loiça... ;)

Miss K. disse...

caltuga:

tal como já deixei uma nota referente aos teus recentes comentários no post "Quando for grande não quero ser normal", reforço aqui a ideia: não percebo onde queres chegar com alguma ironia e/ou cinismo que tem caracterizado as tuas últimas opiniões. não lhes chamaria ataque pessoal, visto não nos conhecermos, mas que há aí qualquer coisa, há. se estou enganada, então dá uma vista de olhos pelo que tens andado a escrever - há nitidamente um "antes e depois". só não percebo porquê.

Beijinhos,
Miss K.

Caltuga disse...

Tens razão, o comentário de ontem foi com algum cinismo áspero, pelo qual peço desculpa - e tentei hoje corrigir com uma mensagem mais divertida (pelos vistos só na minha cabeça)... Simplesmente quis defender the good guy, aquele no canto, longe da ribalta, bom filho, bom trabalhador, bom amigo, bom cidadão, que recicla, que cozinha, que lava a loiça... Acredita que há muita gente assim (e muitos homens também - como já tivemos a oportunidade de discutir há umas semanas atrás) que não é mesmo nada banal, até mesmo, se calhar, bastante especial.

Miss K. disse...

caltuga:

acho que não percebeste, mesmo, o sentido daquele meu texto. logo tu, que me lês há já algum texto, não notares que a ironia pode ser a concretização mais fácil da bricadeira... enfim, não vamos encher esta caixa a discutir o sexo dos anjos! tudo numa boa, desde que, no final, a liberdade de expressão saia sempre vencedora!

100 Sentidos disse...

Por vezes é mais interessante ler os comentários em vez dos próprios textos...