sábado, abril 28, 2007

Irmandade das Tesouras

Não se podia entrar a beber, por isso estavam dezenas de deza-qualquer-coisa, vintes, trintas, quarentas, a engolir imperiais no hall de entrada. Ok, bebe-se cá fora, é da maneira que vai mais depressa. No bar, quatro desgraçados tentavam atender os pedidos daqueles animais enlouquecidos, que não se cansavam de pedir cervejas atrás de cervejas. Roupas de mil cores, a condizer com o look os artistas principais, boa disposição a rodos, máquinas fotográficas para momentos Kodak, grupos de amigos que não se viam há séculos, plumas, filas de ir ao Marquês e voltar para as casas-de-banho, e eis que começa o concerto. Entramos todos na starship trooper que estes cinco malucos trouxeram até Lisboa ("um país com árvores que devem ter o quê?! uns 400 anos? meu Deus!") e preparamo-nos para a craziness que é a festa da Primavera que eles nos querem oferecer na próxima hora e tal. Dançar, dançar, dançar. Acho que não vi ninguém parado, nem aqueles Zés-Manéis que estão sempre nos concertos a marcar passo. "Are you happy, portugayse?" Com saídas destas, está tudo para lá de happy... Estas senhoras têm uma garra descomunal: a começar pela voz - é igualzinha à que ouvimos no cd, ou seja, ninguém anda aqui a enganar ninguém, antes pelo contrário; a senhora-senhora do grupo - que mulher! Fantástico o momento em que ameaçou o infeliz que apanhasse a mandar sms durante o espectáculo, "Enjoy the moment. This moment. Stop writing sms. I'll trhow your fucking phone so far away that you wish never...", foi qualquer coisa do género. Ao vivo teve graça. Muita. A sério. Juro pelos meus leitores. Lá cantaram os hits antigos, o público ficou em êxtase quando se ouviram os primeiros acordes de "Hello (hello), hello (hello), is there anybody in there?", pulou quando eles disseram que não lhes apetecia dançar, e calou-se de olhos em bico quando o menino-rabino decidiu despir-se, na última música. Estava dado o mote para o fim do show. Ele, com a lata que só aqueles que gostam mesmo de viver no limite da alegria têm, ainda se passeou pelo palco com o que deixou no corpo - umas cuecas. Douradas. TA-DAH!

5 comentários:

Buttafly disse...

Olha eu aqui roidinha de inveja, já a espumar de raiva... És feeeeeeia, muuuito feiaaaaaaa! Isso faz-se?! Vais e ainda escreves sobre eles? E nós ficamos aqui a imaginar como teria sido "se"?
Mau Maria...

;)

SA disse...

são um grupo com musicas esfuziantes e que deixam qualquer um bem disposto

nika_liu disse...

Quem me dera! Adorava ter ido! Que festança! Que inveja! LOLOLOL Ainda bem que esses momentos são dos melhores!!!!

El-Gee disse...

comprei bilhete mas a ultima da hora nao me apeteceu ir e vendi a um amigo por metade do preço. fui para o algarve deitar cedo e acordar com as galinhas a ver o mar. tb foi bom.

mas nao sei pq e q tou a dizer isto tudo. o que queria mesmo mesmo mesmo dizer é que gostei imenso do teu review ao concerto.

disseste tudo, sem ser nada chata.

Lorena disse...

Foi uma noite de puro entretenimento!

Não estou a ver nenhum programa superior naquela noite (com todo o respeito El-Gee).

A descrição da malta a beber os copos e dos Zés-Manéis está do mais real possível.