quinta-feira, março 22, 2007

Um, dois, três...

- Amei as flores. Amei as flores. Amei as flores. E escrevia isto o dia todo...
- Ontem, dia mundial da poesia. Uma descoberta:

Venho de tempos antigos. Nomes extensos:

Vaz Cardoso, Almeida Prado
Dubayelle Hilst... eventos.
Venho de tuas raízes, sopros de ti.
E amo-te lassa agora, sangue, vinho
Taças irreais corroídas de tempo.
Amo-te como se houvesse o mais e o descaminho.
Como se pisássemos em avencas
E elas gritassem, vítimas de nós dois:
Intemporais, veementes.
Amo-te mínima como quem quer MAIS
Como quem tudo adivinha:
Lobo, lua, raposa e ancestrais.
Dize de mim: És minha.
(Hilda Hilst)
- As flores que duram mais são estas, colhidas pela amizade! Obrigada!
- Quando você olhar, já fui..., disse ela. E disse muito bem.
- O caminho mais fácil para a tristeza é abrir uma lágrima noutra pessoa.
- Ainda o poema. Escrever "dize de mim: és minha" é roçar os génios de além mundo.
- Quem se esqueceu de te oferecer hoje um sorriso?

2 comentários:

Nuno West disse...

fiquei a pensar se hoje alguém me ofereceu um sorriso...

mas depois percebi...

Daniela disse...

Está de mais...

Eu ofereci de certeza, agora receber?? Já não me lembro! Não é justo :(