sexta-feira, novembro 30, 2007

Porque sou meio louca - tentativa I

Já sei porque é que acho que tenho problemas quase mentais e nunca estou bem como estou. Porque é que sou um Variações dos tempos modernos, salvo as devidas (e muitas) diferenças. Reparei hoje - o que é mentira, reparo nisso uma porrada de vezes, para não escrever todos os dias, ou sempre que atendo o telefone, ou de cada vez que uma borboleta bate as asas na China -, que o meu verdadeiro problema, a causa de todas as minhas inquietações e angústias está no meu nome. É. Nessa(s) palavrinha(s) que escolheram dar-me, nessa coisa pela qual me chamam desde criança, marcada(s) e carimbada(s) no BI, mas que ninguém - e atentem nisto porque realmente é de uma deselegância de cortar à faca - respeita. Ter dois nomes próprios já não é fácil. Menos ainda quando formam um conjunto gritantemente anos 80. Por isso, quando se viu (se é que alguém reparou) que eu estava a começar a ser gente, podiam ter definido uma das duas pérolazinhas para gritarem por mim. Oh! Nada disso. Não há consenso algum quanto aquilo que eu realmente me chamo, quer sejam familiares, conhecidos, amigos, amores passados ou ódios de estimação. Não. Cada qual escolhe por si e, como mil e três grãos no deserto, lá me vão chamando Ana, Aninhas, Aninha (não me repeti, há mesmo quem tire o "s", o que por acaso até acho bem mais sexy, dentro do sexy que isto possa ser), Anita, Catarina, Kate, K., Cat, Cathy, Boneca Russa... No meio desta salganhada toda, que envolve estar sempre atenta ao meu interlocutor ("espera lá, como é que este me chama?!"), é por demais óbvio que a minha paz interior, a minha calma espiritual, o meu encontro com o meu eu (qual deles?!), sejam coisas bem difíceis de atingir. A minha natureza é a do meu signo, Fogo. Sou uma inquietação e uma realizadora de filmes série-B sobre os meus próprios não acontecimentos que me fazem sofrer. Ora quando há 22 pessoas a dizerem branco e 47 a insistirem que é preto, qualquer pessoa dá em doida. Ainda para mais uma Boneca Russa...

8 comentários:

Joana disse...

Para mim serás sempre Miss K.
:)
Sem confusões!

nika_liu disse...

Acho que acertaste na mouche! E tem toda a lógica, supostamente o nome define a pessoa! Eu nunca sei como te chamar...os dois nomes juntos sei que não aprecias e depois a confusão passa para a minha mente para tentar decifrar qual o nome a usar...troubled minds think alike!!!

Esplanando disse...

Ena! Finalmente descobri a razão dos meus desiquilíbrios... ter dois nomes próprios!!! ;-)

MT disse...

porque não os dois nomes juntos... acho giro o nome

MiSs Detective disse...

miss k. e ponto final!
fazes 26 aninhos miss?! quando quando?! e vais de vestidinho às franjinhas?

Miss K. disse...

sexta-feira, babe! tudo à rua para espalhar a corrupção (que já espalha nos outros dias, mas vá, que isto é só uma vez de 12 em 12 meses). e querem-se mulheres, muitas mulheres na rua, porque daqui a pouco os meus 80% de amigos (homens) fazem um abaixo assinado e não vão ter comigo, porque dizem que para estar com homens vão ao futebol...

ah! é no bairro. e se a joaninha também fosse? adorava conhecê-las!

100 Sentidos disse...

Pelo menos um nome temos em comum.
Diria que o meu também é um gritante conjunto dos anos 80.

Luna disse...

Ana, Aninhas, Anocas, Anuska, Nocas, Luisa, Luisinha, Lu, Luí (esta só uns amigos italianos). E esquisofrenia não é só tua!

Bjinhos