sábado, novembro 04, 2006

Borboleta



Abre as asas que te chamam borboleta e vai. Vai, voa para longe, e leva contigo o meu sonho. Se eu ainda tiver um sonho, descobre-o por mim, percebe-o por mim e, pelo caminho, concretiza-o por mim. Eu já não sei sonhar de olhos fechados, e de abertos nunca fui capaz, por isso carrega as minhas ilusões para outro lado, onde elas possam deixar de ser ilusões, para passarem a ser luz e acções. Abre as asas que te chamam borboleta e sai. Sai, foge para fora daqui, e leva contigo o meu riso. Escapa de um sítio onde tudo está tão cheio que quase ninguém consegue sorrir. Eu consigo fazê-lo sempre, mesmo que nunca, por isso espalha por onde puderes um pouco de alegria, até nos lugares em que os dias tenham vidas tristes. Tu, que podes voar por todos os ares de todos os mundos, leva-me contigo para eu descobrir quem sou. Aqui, parada, quanto mais procuro por mim menos me encontro. Talvez, ao sobrevoar aquilo que vivo, dê por mim enrolada no meio da teia de aranha...

2 comentários:

Buttafly Su disse...

Uma das borboletas desta vida passou por aqui e deixou um beijinho amigo. Porque não abres tu as tuas asinhas e voas atrás do Tudo?

;-)

Ana disse...

Seria bom, por vezes, podermos voar assim...

Bjs