segunda-feira, agosto 14, 2006

Superman Returns


Jor-El: [Superman is remembering Jor-El's last message to him from the first film] Live as one of them, Kal-El, to discover where your strength and your power are needed. Always hold in your heart the pride of your special heritage. They can be a great people, Kal-El, they wish to be. They only lack the light to show the way. For this reason above all, their capacity for good, I have sent them you... my only son.
Superman: [to Jason, asleep in his bed] You will be different, sometimes you'll feel like an outcast, but you'll never be alone. You will make my strength your own. You will see my life through your eyes, as your life will be seen through mine. The son becomes the father and the father becomes the son.
Pois é, perdi a cabeça e, num final de tarde menos solarengo, enfiei-me numa sala escura e fui ver o "Superman Returns". Esse clássico do cinema... Sim, porque este ainda não tinha estrado e já estava rotulado de clássico... Tsss... Clássico uma ova! Clássico da BD, ainda vá, agora do cinema é que não! Se não seria impossível, a dada altura, eu estar com francas dúvidas se alguns frames não seriam colagens do "Homem Aranha": é tudo tãaaaaoooo parecido, até a história de amor... Enfim, antes que os fanáticos pelo filme me comecem a atacar por todos os lados, deixem que lhes conte o que eu gostei: a música do genérico, a fazer lembrar os tempos de infância (posso não o considerar um clássico do cinema, mas lá que este Homem de Aço faz parte das nossas vivências, quanto mais não seja em desenhos animados e séries de tv, isso é uma verdade indesmentível), o grande Kevin Spacey (sempre bom, mesmo quando faz de mau), a genial Parker Posey (no filme é Kitty, e na vida real uma actriz fantástica, que normalmente apanhamos no circuito indie), os olhos azuis de Brandon Routh (a nova fatiota assenta-lhe que nem uma luva - se é que me entendem - e ele tem aquele jeito humilde que faz falta a muito actor peneirento que anda por aí), a doçura de Kate Bosworth (não sei o que pretendem os fãs de uma Lois Lane, esta parece-me ter tudo), a descoberta de que Jason é filho de Clark, e o facto de não ter olhado, uma única vez, para o relógio. Ok, confesso, a sessão teve direito a intervalo... Mea culpa.

1 comentário:

R. disse...

Péssimo filme, muito mau mesmo. O guião então é inacreditavelmente fraco. Salva-se o excelente Kevin Spacey, que pura e simplesmente não sabe ser mau actor, seja em que projecto for. Depois do Homem-Aranha 1 e 2 é mais um blockbuster de péssima qualidade.