segunda-feira, julho 31, 2006

Quem morre?

"Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito, repetindo todos os dias os mesmos trajetos, quem não muda de marca, não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece.
Morre lentamente quem faz da televisão o seu guru.
Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o negro sobre o branco e os pontos sobre os "is" em detrimento de um redemoinho de emoções, justamente as que resgatam o brilho dos olhos, sorrisos dos bocejos, corações aos tropeços e sentimentos.
Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho, quem não se permite pelo menos uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos.
Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem não encontra graça em si mesmo. Morre lentamente quem destrói o seu amor-próprio, quem não se deixa ajudar.
Morre lentamente, quem passa os dias queixando-se da sua má sorte ou da chuva incessante.
Morre lentamente, quem abandona um projecto antes de iniciá-lo, não pergunta sobre um assunto que desconhece ou não responde quando lhe indagam sobre algo que sabe.
Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior que o simples fato de respirar. Somente a perseverança fará com que conquistemos um estágio esplêndido de felicidade".
Pablo Neruda, poeta chileno (1904-1973)

4 comentários:

R. disse...

Muito, muito bom. E, Poeta com "P" maiúsculo...


R.


PS: Don't you sleep?

Miss K. disse...

Não, eu não durmo... Tenho um mecanismo que me permite ficar horas e horas sem fechar os olhos, sem me deitar ao comprido e sem descansar, tudo isto sem nunca cair para o chão: vim de Vénus, sou mulher, consigo fazer o que quiser!!

R. disse...

See.. now I can't help myself and I have to quote Jack Nicholson, Mr. "You ain't seen nothing yet..", and graciously say:

"You know, I think I understand what you're like now. You're very beautiful and you think men are only interested in you because you're beautiful, but you want them to be interested in you because you're you. The problem is, aside from all that beauty, you're not very interesting. You're rude, you're hostile, you're sullen, you're withdrawn. I know you want someone to look past all that at the real person underneath but the only reason anyone would bother to look past all that is because you're beautiful. Ironic, isn't it? In an odd way you're your own problem."


(Touché!)


Yours trully, R.

Nuno Fernandes disse...

Eu identifico-me totalmente com este poema. Por isso decidi roubar a ideia e publicar no meu blog. Espero que nao te importes. E que eu dei uma de doido e decidi que nao havia de morrer lentamente :).


PS- Nao sei se ja leste alguma coisa de Luis Sepulveda. E o meu escritor favorito e vem ao acaso por tambem...ser chileno.