quarta-feira, maio 31, 2006

O mundo em que vivemos...

Burkina Faso

Somália

Colômbia

Estados Unidos da América

Angola

Brasil

China

Europa

Campanha da FCB (Foote Cone & Belding) para a revista "Grande Reportagem", em 2005. Passou despercebida a muito boa gente, mas recebeu bastantes elogios no meio publicitário, e foi considerada uma das melhores do ano. Se um terço dos portugueses tivessse visto uma destas bandeiras, talvez o nosso país não fosse o que é. Mas não adianta pensar no que teria acontecido "se"...

4 comentários:

Su disse...

Achas mesmo que este povo mergulhado numa TVI gigante mudaría mesmo alguma coisa se visse esta campanha? Já perdi a esperança...um país que nem ajuda os seus, muito mais fica indiferente ás necessidades dos outros...

Miss K. disse...

Não tenho a certeza, mas penso que a campanha passou na imprensa. E na estrangeira. Se estiver enganada, engano-me duas vezes... Porém, tens razão num aspecto: o Zé Povinho iria achar que as bandeirinhas eram uma antecipação das equipas seleccionadas para o Mundial de Futebol, e tudo ficaria (como sempre), na mesma...

Anónimo disse...

Ok, 1/3 de Portugal vê as bandeiras da campanha da FCB - oh! - e depois, o que é que acontece? 1/3 de Portugal põe pulseiras da Pobreza Zero, separa o lixo e salva o mundo?

Su disse...

Não digo que 1/3 de Portual salve o Mundo, mas podía muito bem começar a salvar os seus - existem crianças que continuam sem brincar pq trabalham, velhos abandonados, existe FOME (fome de verdade), exite abuso sexual a crianças e a mulheres, existe abandono escolar, desemprego, etc...tu sabes, moras cá e tens olhos na cara, de certeza! o grave é q tudo isto existe cada vez em maior nº, quando a ideia de futuro e desenvolvimento sería diminuir este tipo de situações.
Continuamos demasiado preocupados com o acrescento de Dr. antes do nome, com "a minha conta bancária leva-me de 2 em 2 meses para as maldivas ou prá neve", com "eu tenho um carro topo de gama"...e trabalho que é bom, competência e profissionalismo?..."isso? é para o resto da Europa que eu agora tou demasiado preocupado em ver o Mundial..."